*(LITERATURA CLANDESTINA REVOLUCIONÁRIA)*MICHEL FOUCAULT LIBERTE-ME.

VC LEU MICHEL FOUCAULT,NÃO?ENTÃO O QUE VC ESTÁ ESPERANDO FILHO DA PUTA?ELE É A CHAVE DA EVOLUÇÃO DOS HUMANOS.HISTORIA DA LOUCURA,NASCIMENTO DA CLINICA,AS PALAVRAS E AS COISAS,ARQUEOLOGIA DO SABER,A ORDEM DO DISCURSO,EU PIERRE RIVIÉRE,A VERDADE E AS FORMAS JURÍDICAS,VIGIAR E PUNIR,HISTORIA DA SEXUALIDADE,EM DEFESA DA SOCIEDADE,OS ANORMAIS...EVOLUÇÃO OU MORTE!

Monday, June 23, 2008

entrevista john searle 23/06/08

- Os estudantes de Berkeley estavam cientes dos protestos que se passavam na Europa e especialmente no Maio de 68 francês?John Searle - Sim. Eu estive na França em 1968 e todos sabiam do que tinha acontecido em Berkeley, e ser de lá até me conferiu algum prestígio, pois muitos na França consideravam Berkeley como o "centro da revolução". Todos achavam que haveria uma insurreição global, e ela tinha começado na Califórnia. Por causa da televisão, as pessoas sabiam o que estava acontecendo na Califórnia e em Berkeley nós também sabíamos o que se passava no mundo. Mas em 1968 a situação em Berkeley já havia se estabilizado.
- O historiador Eric Hobsbawn, no livro "A Era dos Extremos", afirma que o Maio de 68 francês tem como uma das causas o aumento repentino da quantidade de estudantes nas universidades em poucos anos. Em Berkeley ocorreu algo similar?
John Searle - O crescimento dos estudantes em Berkeley aconteceu após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), então foi antes dos anos 60. Mas eles não estavam interessados em protestos num primeiro momento, mas apenas construir suas vidas e carreiras. Os anos 50 foram um período calmo. Mas o grande "boom" no número de estudantes universitários que ocorreu na década de 60 na França já havia ocorrido no EUA.
- Por que irromperam os protestos estudantis na Universidade de Berkeley (Califórnia) nos anos 1960?John Searle - Os protestos irromperam em Berkeley em 1964, mas tiveram origem no ano de 1963, e estavam relacionados com os movimentos de direitos civis dos negros. O movimento dos estudantes de Berkeley é uma conseqüência do movimento de direitos civis.- Nesta época a maioria dos estudantes universitários eram brancos, e havia uma segregação racial nos EUA. Os brancos se solidarizaram com as causas dos negros?John Searle - O comportamento de protesto sobre questões morais era um privilégio da classe média. Foram os jovens da classe média branca e bem-sucedida que tomaram as dores das injustiças contra os negros nos EUA, e era contra isso que eles estavam protestando.
- Qual a principal conquista do movimento estudantil de Berkeley?
John Searle O que nós fizemos foi provar foi que um pequeno grupo de estudantes aliados poderia superar a autoridade e a burocracia universitária. Isto foi uma descoberta incrível, e nós fomos copiados por todo o mundo. Não tínhamos nenhuma fórmula secreta, mas mostramos que podia ser feito. É um pouco como a bomba atômica, o segredo da bomba atômica é que se pode fazê-la. É uma questão de detalhes como se fabrica ela. Berkeley foi a bomba atômica dos protestos estudantis. - Mas quais foram as conquistas práticas de vencer a autoridade e a burocracia conservadoras a que o senhor se refere? John Searle - A conseqüência mais objetiva foi uma evolução da situação anterior a 1964. Eu não acho que os administradores da universidade poderiam restringir o direito à liberdade de expressão como antes dos protestos em Berkeley. A conquista do "Free Speech" (liberdade de expressão) foi um enorme avanço [para os estudantes e a universidade]. Mas eu acredito que os protestos do movimento estudantil internacionalmente foram provavelmente bastante banais. Na França os estudantes tentaram fazer uma aliança entre os estudantes e os sindicatos e conseguiram algumas mudanças nas universidades, mas eu não creio que foram reformas significativas. Não vejo muitos benefícios na Europa em 1968 e nos EUA as conquistas que vieram do movimento estudantil foram a liberdade de expressão nas universidades e um maior suporte aos direitos civis dos negros.
- O Maio de 68 francês não foi importante em trazer uma nova forma de comportamento em uma sociedade extremamente conservadora? John Searle - Pode ser. O principal slogan na França era "contra a sociedade do consumo". Eles deram uma sacudida no sistema universitário, que passou a ser menos rígido, mas nem todas as mudanças foram para o bem. Em alguns casos a situação ficou pior, como após as reformas do sistema educacional. Se alguém for estudar a história dos efeitos de 1968 nas universidades européias, verá que os efeitos foram diversos. Portanto não está claro para mim que os desdobramentos de Maio de 68 foram benéficos. - O senhor considera que o Maio de 68 na França foi influenciado pelo que aconteceu nos EUA, especialmente em Berkeley?John Searle - Sim. Como eu disse quando fui à França fiquei impressionado pelo quanto eles sabiam o que se passava em Berkeley. O marxismo nunca teve muita influência nos Estados Unidos. Mas muita gente na França ainda era marxista em 1968. Eles achavam que poderiam fazer uma aliança entre estudantes e trabalhadores, que a classe trabalhadora os apoiaria. Ninguém nos Estados Unidos jamais teve esta ilusão porque a classe trabalhadora se opunha aos estudantes radicalmente.- Levando em conta seus estudos e experiência no movimento estudantil nos anos 60 em Berkeley, até que ponto se pode mudar as instituições a partir das universidades?John Searle - Uma coisa que pude experimentar quando universitário é o quanto as instituições são frágeis. É muito fácil paralisar uma universidade, colocá-la em crise. Mas também é notável a capacidade dela de retomar o controle. Os estudantes podem parar uma universidade por um dia ou uma semana, mas no fim a burocracia se restabelece, e os planos administrativos, escritórios e secretarias provam ser instrumentos reais de poder.
- Como a televisão afetou os estudantes e a opinião pública naquele período?John Searle - O efeito foi enorme, e o motivo é que estes estudantes nasceram assistindo televisão. Eles percebiam a realidade com o parâmetro da exposição na televisão, e também eram bons em chamaram a atenção das câmeras e virar notícia. A televisão teve dois papéis significativos. Ela deu autenticidade ao movimento. Deu a noção de que o que os estudantes estavam fazendo era importante, pois estava na TV. Ela também foi muito importante na escolha das lideranças, apesar de não fazer isso intencionalmente, pois mostrava alguns líderes, e não outros, conferindo uma visibilidade que eles não teriam sem a TV. Isso também aconteceu na França, onde [Daniel] Cohn-Bendit ganhou estatura. - Como isso se deu em relação à Guerra do Vietnã?
John Searle - O movimento estudantil como um todo se tornou mais inflamado e relevante depois de 1965. Até este ponto era quase irrelevante. Mas a Guerra no Vietnã exacerbou todos os conflitos e agravou as tensões entre os jovens e as instituições das autoridades do establishment. Sem a Guerra do Vietnã os protestos teriam acabado muito antes. A guerra acelerou as manifestações extraordinariamente. - Quais foram as conquistas dos manifestantes no que diz respeito à Guerra do Vietnã?John Searle - Eu acho que depois de 68 os protestos levaram a continuidade da guerra, mas isto é uma questão de análise histórica. Os movimentos de protestos contra a guerra poderiam e talvez tenham feito alguma diferença, mas após se tornarem violentos, acabaram por dificultar o fim da guerra pelo governo. Eu acho que [Hubert] Humphrey teria terminado a guerra mais rápido que Richard Nixon, mas os estudantes radicais o fizeram perder a eleição, ao fazerem parecer que os democratas eram responsáveis pela desordem. - O senhor poderia pontuar o que considera positivo e negativo nos anos 60 como um década de protestos estudantis no mundo?John Searle - Os anos 60 como um fenômeno cultural foram um desastre. Eles criaram uma série de expectativas na sociedade que jamais poderão ser realizadas. Uma das coisas que é latente nos anos sessenta é o quanto foi inadequado intelectualmente. Faça a si mesmo a pergunta: "quais são as idéia filosóficas substantivas que surgiram dos movimentos estudantis radicais?" e verá que não existe nenhuma. Intelectualmente foi bastante superficial, e ruim culturalmente, reduzindo os padrões intelectuais em muitas universidades, além de dar aos estudantes o modelo errado de mudança social. Isso aconteceu porque eles [europeus] tinham uma sociedade muito atrasada. Não entendiam como a sociedade funcionava e como deviam se dar os processos de mudança. Mas eu ainda não falei dos bons efeitos. Eles colocaram um fim em uma concepção de vida de estudante em que o slogan era "a educação paternal". A idéia era de que a universidade estava no lugar dos pais e que a universidade tinha uma autoridade sobre os estudantes como a dos pais. Esta nunca foi a visão na Europa, mas foi uma visão comum nos EUA, e teve fim em Berkeley em 1964. Desde então as universidades não pensam mais que tem uma autoridade sobre os estudantes semelhante a dos pais. - A respeito do legado intelectual dos anos sessenta, Marcuse, com sua nova leitura do marxismo trazendo às questões da sexualidade colocadas por Freud, e, por outro lado Guy Debord (1931-94), com sua análise sobre a "sociedade do espetáculo" e a idéia de que a realidade se tornou uma "representação" a todo momento de formas reproduzidas pela sociedade do consumo, não deram uma contribuição ao entendimento da sociedade em que nós vivemos hoje?John Searle - Eu considero Marcuse um filósofo bastante superficial e confuso. Sua idéia de 'tolerância repressiva', o fato de que nós aceitarmos opiniões diferentes é na verdade uma forma de repressão, não é uma idéia a ser levada a sério. Para ele, permitir uma variedade de opiniões impossibilita o crescimento das tensões que podem resultar em uma revolução. Para Marcuse, para ter uma revolução é preciso ter uma classe reprimida, eu não concordo com isso.


0 Comments:

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home