*(LITERATURA CLANDESTINA REVOLUCIONÁRIA)*MICHEL FOUCAULT LIBERTE-ME.

VC LEU MICHEL FOUCAULT,NÃO?ENTÃO O QUE VC ESTÁ ESPERANDO FILHO DA PUTA?ELE É A CHAVE DA EVOLUÇÃO DOS HUMANOS.HISTORIA DA LOUCURA,NASCIMENTO DA CLINICA,AS PALAVRAS E AS COISAS,ARQUEOLOGIA DO SABER,A ORDEM DO DISCURSO,EU PIERRE RIVIÉRE,A VERDADE E AS FORMAS JURÍDICAS,VIGIAR E PUNIR,HISTORIA DA SEXUALIDADE,EM DEFESA DA SOCIEDADE,OS ANORMAIS...EVOLUÇÃO OU MORTE!

Thursday, May 22, 2008

georgia nas portas da revolução 22/05/08 espiões da cia tentam sabotar o processo eleitoral .

National Anthem of the Georgian
http://br.youtube.com/watch?v=TknJM2Hoc-c
A importância geoestratégica e geopolítica da Ásia Central aumentou, sem dúvida, com os acontecimentos desencadeados pelo “11 de Setembro”. Mas de há uma dezena de anos para cá essa região é palco de um novo “Grande Jogo”, cujo objectivo é preencher o vazio estratégico deixado em aberto pelo desmantelamento da União Soviética. Com o fim da URSS, todas as potências perceberam também que a utilização dos oleodutos e gasodutos que canalizam a energia do Mar Cáspio seria um trunfo estratégico para o controlo dos Estados novamente independentes e para a projecção das respectivas influências. Desde então, a Rússia procura – através dos diversos acordos no âmbito da Comunidade de Estados Independentes (CEI) e de uma efectiva presença militar – manter a tutela dos novos países independentes da Transcaucásia e da Ásia Central; a Turquia vem procurando contrariar esse histórico ascendente russo, em particular junto da Geórgia, do Azerbeijão e do Turquemenistão, no que vem sendo apoiada pelos EUA e por outros países ocidentais; o Irão, tirando partido da sua extraordinária localização geográfica, vê na Ásia Central uma forma de romper o “bloqueio ocidental”, numa estratégia que aproximou Teerão de Moscovo (com quem assinou avultados contratos para o fornecimento de armamentos); a China, mais expectante, procura a estabilidade de toda a vasta região que se situa junto das suas fronteiras ocidentais para evitar perturbações no seu interior (nomeadamente na zona do Xinjiang) e procura igualmente usufruir dos recursos energéticos oriundos do Cáspio, de que tanto carece.

Por seu lado, os EUA procuram, desde a implosão soviética, contrariar a influência russa no Cáucaso e na Ásia Central, tentando ainda reduzir ao mínimo a influência do Irão. Para isso, Washington incentivou as cinco ex-repúblicas soviéticas da Ásia Central e as três da Transcaucásia a integrarem os programas de partenariado da NATO, apoiou o GUUAM (grupo da CEI mais “anti-russófono” que engloba a Geórgia, o Uzbequistão e o Azerbeijão, para além da Ucrânia e da Moldávia), e encorajou os países da Transcaucásia e o Turquemenistão a cooperarem com a Turquia. Em 1996, os EUA celebraram com o Uzbequistão um acordo de cooperação militar e, em Outubro de 1999, numa rara alteração da sua geografia militar, transferiram o Comando da Ásia Central para o Comando Central, retirando-o do Comando do Pacífico, o que representa uma mudança significativa no pensamento estratégico americano: até aí, a Ásia Central era tida como uma preocupação periférica; agora, a região que se estende dos montes Urais à fronteira ocidental da China assumiu-se como um local de vital importância estratégica, por causa das suas vastas reservas de petróleo e de gás natural, por debaixo e em torno do Mar Cáspio. Contudo, a “guerra contra o terrorismo” transformou a lógica da competição estratégica nesta região, uma vez que, a par do comércio do petróleo e dos projectos de oleodutos e de gasodutos, as bases aéreas, os serviços de intelligence, o poder militar e o controlo dos movimentos fundamentalistas islâmicos aumentaram claramente de importância, no que se revelam agora importantes trunfos dos americanos.


Fundamentalmente, a intervenção dos EUA a pretexto da “guerra contra o terrorismo” confirma o aumento da sua influência na Ásia Central desde o fim da Guerra Fria, recuperando um velho aliado – o Paquistão –, estabelecendo uma estranha aliança com um novo parceiro estratégico – a Rússia –, e colocando o Afeganistão – antes um Estado “pária e perigoso” – sob o controle da comunidade internacional. Ao citar o Movimento Islâmico do Uzbequistão (MIU) entre os “27 grupos terroristas” que denunciou a 24 de Setembro, a Administração Bush reforçava a aliança com Tashkent, tanto mais que Washington relaciona o MIU com a Al-Qaeda e os taliban. Depois, o estacionamento de aviões e soldados americanos na base uzbeque de Khanabad confirmava que esta antiga república soviética tinha um papel determinante nas operações militares contra o Afeganistão. Velho desejo do autocrático dirigente Islam Karimov, esta colaboração estreita com os EUA pode reforçar uma “individualidade” mais acentuada face à Rússia. Da mesma maneira, a vontade americana em combater os taliban por intermédio da Aliança do Norte aumentou a importância logística de outra ex-república soviética, o Tajiquistão, base de retaguarda da coligação anti-taliban. Mas, ao contrário do Uzbequistão, o Tajiquistão continua sob uma estreita influência de Moscovo: os 10.000 soldados russos que lá estão estacionados controlam as instalações estratégicas. Por isso, a administração americana teve que negociar com a Rússia o direito de conduzir operações a partir dos territórios das ex-repúblicas soviéticas e actuais membros da CEI.
No Cáucaso, o Pentágono já enviou 200 soldados das tropas especiais para as montanhas da garganta Pankisi na Geórgia, junto da fronteira com a Tchetchénia, Rússia, a fim de colaborar com Tbilissi no âmbito da campanha contra o terrorismo, ao mesmo tempo que, paradoxalmente, o governo russo se declarava pronto a retirar da Abkázia as suas tropas de interposição. Enquanto isso, a Geórgia e o Azerbeijão procuram insistentemente aderir à NATO. É inquestionável que este desdobramento da presença militar americana no Cáucaso e na Ásia Central, embora motivado pelos ataques de 11 de Setembro e pela campanha contra o terrorismo internacional, e num clima de “aliança estratégica” com Moscovo, reforça os trunfos estratégicos dos EUA nessas regiões. Se perdurar, no entanto, Washington arrisca ferir susceptibilidades russas e dar razão ao Irão e à China que desconfiam que essa presença tem objectivos mais vastos do que a luta contra o terrorismo e a estabilidade regional. E ao escolherem o Afeganistão e a Ásia Central como primeiro alvo da sua “resposta”, os Estados Unidos envolvem-se directamente numa perigosa engrenagem, num emaranhado de conflitos com múltiplos interesses misturados: rivalidades e confrontos geopolíticos de grandes potências, nacionalismos e separatismos, riquezas energéticas, terrorismo, droga, fundamentalismo étnico e religioso...

Até ao início dos anos 1970, a estratégia regional americana visava a salvaguarda das vias petrolíferas e a retenção da União Soviética e da China na Ásia. Na Ásia do Sul, tratava-se de instrumentalizar o Paquistão – que em 1954 adere ao South East Asian Treaty Organization (SEATO) e ao Central Treaty Organization (CENTO) – e o Islão contra o “comunismo ateu”, mantendo a Índia fora da órbita soviética. Entretanto, a ruptura sino-soviética consagrou a tripla aliança americano-sino-paquistanesa dos anos 70 e 80. Mas é sobretudo a partir de 1979 e da invasão soviética do Afeganistão (e da revolução no Irão no mesmo ano) que o Paquistão se assume de novo como um trunfo decisivo no jogo estratégico americano. No Afeganistão, o Paquistão deseja adquirir uma “profundidade estratégica” face ao adversário indiano, enquanto que os EUA e a China querem sangrar o Exército Vermelho nas montanhas da Ásia Central. A Índia, entretanto, passara a alinhar com a URSS, para contrabalançar as alianças estratégicas do Paquistão e da China com os EUA. Contudo, depois da guerra do Afeganistão e da retirada soviética, os EUA simplesmente abandonaram o país, contribuindo assim para criar o vácuo que gerou, a partir dos serviços secretos paquistaneses ISI, o regime dos taliban e permitiu à Al-Qaeda fazer daquele país a sua base de operações. Por seu lado, a relação entre os EUA e o Paquistão desfez-se, com os americanos a imporem sanções contra o antigo “aliado mais aliado na Ásia”. Fundamentalmente, os americanos receavam que o Paquistão, tal como o seu vizinho Afeganistão, fosse avassalado pelo fundamentalismo islâmico: um Paquistão governado por extremistas religiosos, armado com armas nucleares e obcecado com a Índia representava um pesadelo com ramificações muito para além da Ásia do Sul.
Depois do 11 de Setembro, a situação geopolítica e geoestratégica regional transformou-se de novo. Nessa altura, Pervez Musharraf já estava no poder há 23 meses, mas o seu historial era contraditório. Washington deixou claro que o Paquistão tinha de decidir entre associar-se à luta contra o terrorismo e o isolamento internacional. Ao contrário das administrações anteriores, a de Bush jogou duro com Islamabad. Mas não foi fácil a decisão para Musharraf: tinha consciência de que a opinião pública do país se opunha à cooperação com os EUA, país que depois de ter deixado de precisar do Paquistão para ferir os soviéticos no Afeganistão o tinha descartado “como a um lenço de papel usado”, impondo sanções ao programa nuclear e suspendendo a ajuda económica; também temia a reacção dos partidos religiosos, donde partia um apoio activo aos taliban e a Bin Laden. Por outro lado, nas decisões paquistanesas estava presente a atitude do seu eterno adversário, a Índia: em 1979-80, esta estava do lado oposto ao dos EUA e do Paquistão; mas, em 2001, num cenário de franca melhoria das relações bilaterais com Washington e de acérrima oposição aos taliban, a Índia prontificou-se a oferecer total apoio aos EUA. Musharraf soube imediatamente que o Paquistão se isolaria se se recusasse a cooperar com os americanos, e até talvez se colocasse ao lado dos taliban como parte de um conjunto de alvos dos americanos. E, tal como justificou numa comunicação televisiva ao país a 19 de Setembro, a recusa implicaria graves perigos para o país, ameaçando a soberania do Paquistão, a sua economia, os seus dispositivos de segurança e a sua política em Caxemira.
Era um risco demasiado a correr por uma causa perdida à partida. De resto, Islamabad sabia que Washington recompensaria a cooperação paquistanesa. O levantamento de vários tipos de sanções ao Paquistão e à Índia já tinha sido considerado antes do 11 de Setembro, e foi mesmo a primeira recompensa. Islamabad pode agora adquirir novos equipamentos militares, já começou a receber a ajuda económica de que desesperadamente necessita e espera uma boa resposta aos apelos de perdão da dívida. O Paquistão voltou a ser um peão no jogo estratégico dos EUA, colocando-se na sua órbita, e conseguindo ainda manter uma palavra nos destinos do Afeganistão em reconstrução. No entanto, a questão é mais complexa em relação à Índia e ao problema da Caxemira. A lógica da guerra contra o terrorismo é claramente inconsistente com a continuação do apoio activo paquistanês à jihad em Caxemira. Isso, os EUA não podem ignorar. E se o problema do Afeganistão está mitigado, tudo ainda está por definir entre a Índia e o Paquistão.
O equilíbrio em Caxemira diz também respeito à China, promotora de longa data do exército paquistanês por oposição à Índia



0 Comments:

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home