*(LITERATURA CLANDESTINA REVOLUCIONÁRIA)*MICHEL FOUCAULT LIBERTE-ME.

VC LEU MICHEL FOUCAULT,NÃO?ENTÃO O QUE VC ESTÁ ESPERANDO FILHO DA PUTA?ELE É A CHAVE DA EVOLUÇÃO DOS HUMANOS.HISTORIA DA LOUCURA,NASCIMENTO DA CLINICA,AS PALAVRAS E AS COISAS,ARQUEOLOGIA DO SABER,A ORDEM DO DISCURSO,EU PIERRE RIVIÉRE,A VERDADE E AS FORMAS JURÍDICAS,VIGIAR E PUNIR,HISTORIA DA SEXUALIDADE,EM DEFESA DA SOCIEDADE,OS ANORMAIS...EVOLUÇÃO OU MORTE!

Tuesday, October 03, 2006

FORA DA AMERICA LATINA LADROÊS.REPRESENTANTES DO IMPERIALISMO.






ALTAMIRO BORGESOs mentores neoliberais de AlckminNo final de agosto, a coligação "A força do povo", que reúne PT, PCdoB e PRB em apoio à reeleição do presidente Lula, lançou o seu programa de governo para o segundo mandato. A mídia hegemônica gastou um bocado de saliva e papel para bombardear o texto, mais por suas "lacunas" do que por suas propostas. Acusou o programa de "genérico" e de não defender as "inadiáveis reformas previdenciária e trabalhista". Também não gostou do item que afirma que "caberá ao segundo mandato avançar mais aceleradamente no rumo do desenvolvimento", superando os entraves neoliberais, e detestou o capítulo que defende criar "sistemas democráticos de comunicação e fortalecer a radiodifusão pública e comunitária". Mas, a mesma mídia tão ácida diante de Lula, porém, nada fala sobre a ausência do programa das demais candidaturas presidenciais. No caso do PSOL, sabe-se que existem abissais divergências entre as forças que apóiam a senadora Heloísa Helena. Algumas pregam uma plataforma nitidamente radicalizada, com a suspensão do pagamento da dívida externa, a reestatização de todas as estatais privatizadas e a duplicação imediata do salário mínimo; já outras propõem um programa mais moderado, de viés desenvolvimentista, levando em conta a correlação adversa de forças. A briga é feia e já produziu várias cenas de divergências explícitas na mídia. É bem provável que o programa não seja publicado antes da eleição. Já no que se refere à coligação PSDB-PFL, a situação é ainda mais complicada. Na prática, os defensores do candidato Geraldo Alckmin temem divulgar suas propostas de governo. Adoradores do deus-mercado, eles defendem a retomada das privatizações, o chamado "Estado mínimo", com a demissão de servidores e o "fim da gastança" com programas sociais, a criminalização dos movimentos sociais e o alinhamento automático com os EUA via adoção da Alca. Eles sabem que estas idéias têm forte repulsa na sociedade. Nesta semana, o candidato apresentou um texto insosso que nem dá para chamar de programa. Mas não é difícil saber o que a direita orquestra. Basta analisar o currículo de alguns dos mentores de Alckmin. Adoradores do "deus-mercado" Em abril passado, a revista empresarial Exame publicou uma reportagem bajuladora intitulada "Quem faz a cabeça de Alckmin". Como ela mesma admitia, "embora ainda não tenha avançado além das propostas genéricas para os grandes temas nacionais, o perfil e as idéias dos homens mais próximos a ele fornecem boas linhas do que será o modelo Alckmin". Entre outros mentores do presidenciável, ela citava "estrelas como Pedro Malan e Armínio Fraga, os dois pilares econômicos do governo FHC, até José Pastore, nome mais ligado ao PFL e especialista em relações trabalhistas". Também incluía o ex-secretário da Fazenda de São Paulo, Yoshiaki Nakano, e o ex-ministro das Comunicações, Luiz Carlos Mendonça de Barros. Mesmo desconhecendo seu programa de governo, a publicação não vacilou em traçar suas linhas básicas. "Se o candidato do PSDB tem um plano de país definido, por algum motivo não deixou até agora que se tornasse público. Mas em suas prioridades para gerar um ambiente favorável ao crescimento econômico, incluem-se a queda do taxa de juro e um substancial corte dos gastos públicos. Sobre a política externa, o candidato tucano tem ouvido defensores de uma guinada radical em relação à que vem sendo adotada pelo governo petista. A prioridade é para temas como o estabelecimento de acordos bilaterais e a retomada de negociações para a formação da Alca". Nesta área, ele teria como seu principal ideólogo o ex-embaixador brasileiro em Washington, Rubens Barbosa, um partidário xiita do alinhamento automático com os EUA. Nos meses seguintes, outros nomes foram surgindo na mídia como integrantes da equipe de programa de Geraldo Alckmin. Como coordenador foi indicado o ex-secretário de Ciência e Tecnologia de São Paulo, José Carlos Souza Meirelles, um dos tecnocratas mais próximos do ex-governador. Também apareceram com freqüência como conselheiros o empresário Roberto Giannetti, ex-secretário da Câmara de Comércio Exterior, os consultor privado Maílson da Nóbrega, ex-ministro da Fazenda, a economista Eliana Cardoso e o tributarista Raul Veloso. Na equipe responsável pela política agrária e agrícola surgiu o deputado Xico Graziano, inimigo rancoroso do MST. Abaixo publicamos as idéias de alguns mentores de Alckmin. Yoshiaki Nakano: Conforme revela a própria Exame, "Nakano tem no currículo o saneamento das contas de São Paulo. Seu trabalho é considerado um dos mais monumentais ajustes fiscais já realizados na história brasileira... Ele defende idéias como a adoção do déficit nominal zero". A revista apenas não informa que o "monumental ajuste fiscal", que resultou nas demissões e no arrocho salarial de milhares de servidores e na privatização de boa parte do patrimônio público, foi um "monumental fiasco". Quando o tucanato assumiu o governo paulista, em 1995, a dívida pública era de R$ 48,3 bilhões; atualmente, ela é de R$ 146,6 bilhões. Apesar do desastre, ele insiste na tese do déficit nominal zero, através do violento corte dos gastos operacionais com serviços e servidores públicos e a redução da carga tributária para as corporações empresariais. Luiz Carlos Mendonça de Barros: Em matéria no jornal Valor Econômico (09/01/06), o ex-ministro de FHC, responsável pela privataria das comunicações, surge como "o provável homem forte da República dos Bandeirantes". Mesmo pregando alterações na política de juros, o que lhe garante certa aura de desenvolvimentista, Mendonção é um ativo militante neoliberal. No artigo "os bons resultados das privatizações" (FSP, 12/08/05), ele faz rasgados elogios ao governo FHC "pela retirada do setor público, federal e estadual, de amplas áreas da economia". Descarado, chega a citar como exemplo de sucesso a privatização da Vale do Rio Doce, um crime de lesa-pátria. No final, lamenta que "no governo Lula, o processo de desestatização ficou paralisado" e prega a imediata "retomada do movimento de redução da participação do Estado". Em outros artigos, sataniza os servidores, bem ao estilo "caçador de marajás" de Collor de Mello, e exige o fim da "gastança pública". José Pastore: Reverenciado pelos neoliberais, o sociólogo e consultor do PFL é considerado um ícone da precarização do trabalho. A matéria do Valor o descreve como um defensor "da reforma trabalhista radical, com corte de encargos e direitos, e crítico da obrigatoriedade do abono de férias e do pagamento do FGTS". Com o farto espaço na mídia, Pastore explicita as suas teses destrutivas. "No Brasil, além do fator previdenciário, há que se elevar a idade para se aposentar... As pessoas vivem mais e precisam trabalhar mais tempo... O Brasil terá de enfrentar, já no início do próximo governo, novas mudanças no sistema previdenciário". Em outro texto, ele faz apologia da terceirização. "Na contramão do que ocorre no resto do mundo, o governo Lula apresenta enorme resistência à modernização das leis que tratam do trabalho terceirizado". Também critica, em outro texto, "as dificuldades criadas pela CLT no meio rural", pregando a sua extinção. Como consultor do ex-ministro Francisco Dornelles, no governo FHC, ele preparou o projeto que propunha "a prevalência do negociado sobre o legislado", que escancarava as portas para a flexibilização trabalhista. É um inimigo declarado do sindicalismo, defensor da sua fragmentação e da redução do seu papel. Maílson da Nóbrega: Para este ex-ministro, famoso por sua fidelidade canina à ortodoxia neoliberal, "a autonomia formal do Banco Central ajudaria a dissipar dúvidas quanto ao nosso compromisso com as metas fiscais. O PT não tem resposta para esse ponto porque não consegue convencer seus radicais de que a autonomia formal do BC é a decorrência natural do processo democrático". Ele também critica o aumento dos gastos públicos com a contratação de servidores, com reajuste do salário mínimo e com os programas sociais. "Uma parte [do governo] quer aumentos insustentáveis do salário mínimo, e outra quer deteriorar ainda mais o quadro com propostas de aumento da vinculação dos recursos para a educação". Roberto Giannetti: O mesmo artigo do jornal Valor afirma que ele é "pouco simpático ao Mercosul no formato atual e cobra a evolução rápida dos acordos comerciais com a Alca e a União Européia". Na recente crise da Petrobras na Bolívia, o sempre servil defensor dos EUA virou uma fera contra o governo de Evo Morales. Criticou a pretensa "omissão do governo, que não defende os interesses dos empresários brasileiros", e pregou o rompimento das relações com o governo boliviano. Ele também dá várias e ásperas entrevistas contra o presidente Hugo Chávez, sempre rotulado de "populista", que estaria colocando em risco "as harmoniosas relações com os EUA em nosso continente". O atual diretor do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp não esconde seu total desacordo com a atual política do Itamaraty. José Carlos Meirelles: O ex-secretário de Ciência e Tecnologia não é propriamente um mentor intelectual. Enquadra-se mais no perfil do tecnocrata e dos apadrinhados da famosa "turma de Pinda". Como repetidor de fórmulas prontas, ele gosta de dizer que "Alckmin fará um choque de capitalismo" caso chegue à presidência da República, repetindo o bordão do ex-governador Mario Covas, fabricado pelos marqueteiros da Rede Globo. Rubens Barbosa: Presidente do Conselho Superior de Comércio Exterior da poderosa federação das indústrias de São Paulo (Fiesp) e ex-embaixador de FHC nos Estados Unidos, Rubens Barbosa é um ácido crítico da atual política externa do governo Lula. Em vários artigos na mídia, costuma rotulá-la de "terceiro-mundista", atrasada e ideologizada. Em recente artigo na Folha de S.Paulo (09/08/06), não vacilou em defender que "a política brasileira na América do Sul e no Mercosul terá de ser profundamente revista, de modo a restabelecer uma atitude positiva e cooperativa... Com a retomada das negociações na Alca, caso o governo Lula mantenha as atuais posições, o Brasil ficará isolado no contexto sul-americano. Levará tempo até que as nossas relações sejam recolocadas em seu leito natural, como ocorreu até 2002". Eliana Cardoso: Ex-servidora do FMI e ex-integrante de "um grupo de leitura que inclui banqueiros e funcionários do Pentágono", segundo revela a revista IstoÉ (19/03/97), a economista baba de ódio do presidente Lula. "O governo diz que quer recuperar os investimentos em infra-estrutura, mas aumenta os gastos com o funcionalismo. Políticas improvisadas marcam a área social. A estratégia Sul-Sul, que encanta o nosso presidente, não encontra ressonância nos países em desenvolvimento. O país permanece isolado na América Latina, enquanto o presidente se vangloria de ter tirado a Alca da agenda de discussões". Depois deste falacioso diagnóstico, apresentado na falida revista direitista Primeira Leitura, ela ainda dá alguns conselhos: "A privatização do BB e da CEF é uma medida indispensável à transparência dos orçamentos e à estabilidade financeira... Os bancos estatais representam empecilho ao crescimento sustentado". Ela também é uma arquiinimiga, segundo o economista Carlos Lessa, da "retomada desenvolvimentista do BNDES". Raul Veloso: Tratado pela mídia hegemônica como "um dos maiores especialistas em finanças públicas do país", este economista é um prestativo serviçal do sistema financeiro. Consultor do PFL, ele vive dando declarações favoráveis a um maior arrocho fiscal no país, à demissão de servidores e a novos cortes salariais. Quando do recente aumento do valor do salário mínimo e da correção da tabela do Imposto de Renda, ele ganhou as manchetes dos jornais com suas profecias terroristas sobre "a falência do Estado brasileiro". No jornal O Globo, ele previu: "Mais uma vez o lado fiscal parece ameaçado. E isso pode resultar em mudança de humor do mercado". Até o corrosivo jornalista Sebastião Nery não poupa adjetivos contra o atual conselheiro de Alckmin. "Raul Veloso, agente da Febraban [federação dos banqueiros], é um dos mais exacerbados vampiros sociais do país. Se dependesse dele, não havia Previdência, FGTS, 13º salário, férias, Bolsa Família, nada. Todo o dinheiro do Brasil iria direto para os bancos". Xico Graziano: O ex-presidente do Incra no governo FHC e atual deputado federal do PSDB, venerado por latifundiários e por donos de agronegócios, considera a "reforma agrária um atraso" e costuma se referir ao MST como "banditismo social". Numa longa e rancorosa entrevista à revista Primeira Leitura, ele criticou o governo Lula por não reprimir violentamente as ocupações de terra, afirmou que não existe mais terra improdutiva no Brasil e defendeu o agronegócios como o único modelo viável no mercado. Também destilou veneno contra todos os que lutam pela reforma agrária. "Ao lado do MST, você tem um setor muito atrasado da Igreja Católica, aglutinado na Comissão Pastoral da Terra, cujo expoente é o Tomás Balduíno. À esquerda atrasada da Igreja, soma-se a esquerda atrasada petista... E o governo Lula não tem coragem de assumir a modernidade". Já num artigo para o portal direitista E-Agora, ele esbravejou: "O MST é forte porque luta sem tréguas nem amarras, botando medo no Estado. Justiceiros, invocam os cânones divinos e arrebentam cercas... Alguns formadores de opinião, ao verem a marcha vermelha, alimentam uma espécie de fantasia retrógrada da revolução, a vontade de expiar o passado latifundiário. Gera-se, assim, uma benevolência a perdoar o banditismo rural... Inaceitável é ver a prevalência do arbítrio sobre a política, da foice sobre o trabalho. Menos que a economia rural, é a democracia brasileira que está em xeque". Haja reacionarismo! Plataforma escondida Ao estudar alguns destes perfis, o jornalista Marco Aurélio Weissheimer, em reportagem na Carta Maior (16/01/06), já havia antecipado o que seria o programa tucano. "Reforma trabalhista radical, com corte de encargos e direitos; privatização de todos os bancos estatais; fusão dos ministérios da Agricultura e do Desenvolvimento Agrário; adoção do déficit nominal zero; redução das despesas constitucionalmente obrigatórias em áreas como saúde e educação; menor peso ao Mercosul e retomada das negociações da Alca: essas são algumas das idéias defendidas por um grupo de especialistas que vem se reunindo com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), com o objetivo de desenhar o esboço de um eventual programa de governo". Não é para menos que o presidenciável sempre procurou esconder suas propostas.

0 Comments:

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home